Eu tenho esse direito, sou sexagenário!

Às vezes me pego pensando em até onde iremos parar com essa mania de “vantagens” que nos é nato. Chega a ser espantoso aonde chegam os limites humanos de desculpas apresentadas para justificar o uso de “sobre vantagem” sobre todos à sua volta e ainda se gabam por serem espertos demais…
Um dia desses, eu estava em uma sala de espera de atendimento, ticket numérico em mãos, em pé, encostado em uma parede da agência do Correios, que fica dentro de um dos shoppings da cidade. Por meu jeito de ser, não costumo ficar sentado, não que me ache um garotão, porém, acho que os lugares de se sentar deveriam ficar à disposição das pessoas impossibilitadas de ficarem em pé, etc, etc… Pela numeração do painel de chamada, deveria ainda ocorrer mais quatro ou cinco atendimentos antes do meu número.
Estava quase na hora da agência encerrar seu expediente e eis que de repente pelas paredes de vidro vê-se um senhor chegando apressadamente pelo corredor de acesso, quase correndo, com um envelope pequeno na mão. Tinha uma cara de já ter sessenta e algumas horas ou faltando alguns minutos para sessenta anos (me veja destilando veneno no canto direito da boca… ahahahah…).
Este senhor, em trajes de caminhada (camisa furadinha, calção, meias três quartos e tênis no pé), passa pelo expedidor de tickets numéricos e vai direto ao atendente, quase espremendo um rapaz que estava postando um pacote grande de correspondências. Fala algo rapidamente com a atendente e vira-se para as pessoas que aguardavam serem atendidas, dá um sorriso amarelo e vem em minha direção…
Eu tenho um poder magnético incomensurável! Essas encrencas eu atraio com a maior facilidade, sem qualquer esforço.
Eis que o garotão sexagenário, cola-se a meu lado. Perguntou-me se eu também aguardava pelo “atendimento especial a idosos” e eu mostrei-lhe meu ticket. Ele ficou todo sem graça e começa a tecer o rosário de desculpas e justificativas de seu ato e o que ele se propunha a fazer. Ofereceu-me ainda ser atendido antes dele se eu desconsiderasse minha numeração, agradeci-o imensamente pela gentileza e deixei claro que aguardaria minha vez.
Este senhor ficou dando-me uma aula de direitos humanos voltado ao idoso, que era uma obrigação que todos idosos usufruíssem dos benefícios conquistados pós era PT, que eu me mostrava um reacionário à situação do governo, que eu era contra o modelo político existente no País…
Por sorte, o rapaz que estava sendo atendido no guichê, saiu e ele foi para lá na maior cara dura…

#Disse
Carlos Leonardo

#CONVITEAPROSA
Realmente há necessidade de que se use todos seus direitos mesmo que não esteja você precisando mesmo daquilo?

 

 

Vamos comentar isso?

%d blogueiros gostam disto: