Assumimos o “torcedor de futebol” em nosso dia a dia?

torcida1Se pararmos para prestar atenção no que está acontecendo conosco nestes últimos tempos, vamos ficar alarmados com tantos chiliques e discussões que não levam a nada a não ser em inimizades e situações incômodas.

Por que “torcedor de futebol”?

Veja bem, um torcedor de futebol no Brasil quando tem uns trocados vai ao estádio para se distrair, chegando lá ele discute e rivaliza-se com pessoas desconhecidas só porque vestem uma camiseta do oponente.
Quando adentra-se ao estádio, se o seu time ganha, extrapola-se em comemorações, vai a ações impensáveis entre seus amigos e mais ainda com outros desconhecidos que estão por perto. Comete atos que provavelmente se arrependerá, quase que, para o resto de sua vida e isso tudo é porque seu time ganhou.

torcida2Se perdeu então, “Deus nos acuda”. Liberta-se o ogro adormecido, incentiva-o com todas as raivas possíveis e imagináveis. Agride quem quer que esteja por perto, seus ídolos em campo tornam-se imprestáveis e indignos de crédito, o coach é um incompetente, a torcida do time adversário torna-se automaticamente seu inimigo e deve ser destruída. E as coisas vão só crescendo, avolumando até tornar-se algo monstruoso e a mídia passa a analisar a situação como caos, sem possibilidades de apaziguar a situação.

torcida4Agora, transfiramos toda essa estória para nosso convívio político-partidário existente em nosso meio nos dias de hoje. É igual ou não é?

Nós deveríamos ser mais conscienciosos de nossas responsabilidades, vivemos hoje num mundo de reclamações de direitos, de sensibilidades à flor da pele, de se ofender pelo toque do vento em nosso rosto, por nossas responsabilidades serem constantemente transferidas a terceiros. Justificamos os erros com o apontamento do erro do outro e achamos que está tudo certo. torcida3Esqueceu-se de que – o nosso direito termina quando começa o do outro. Vivemos a cada vez mais divididos em setores, em grupelhos afins, onde qualquer coisa serve para a divisão, a cor, a religião, o time de futebol, a preferência sexual, o status social, o poder aquisitivo… Não temos parâmetros para mais nada e o pior, não temos paciência e aceitação para mais nada… A continuarmos assim, nos destruiremos com certeza.

#Disse
Carlos Leonardo

Vamos comentar isso?

%d blogueiros gostam disto: