A podridão de uma nação…

Tal qual um esgoto a céu aberto, o Brasil fede! Tudo o que o povo já prediz há muito, -“Não há homem para levantar este País”, se mostrou tão real. À exceção dos fanatizados defensores lulistas, o restante da população não crê que algum político esteja apto e seja confiável para subir os degraus do planalto.

Decepcionado? Não. Já era esperada uma situação desta. Isso me faz lembrar de uma cômica cena de vídeo em que um primata pulava feliz e ao mesmo tempo assustado, com um metralhadora em suas mãos disparando para todos lados em círculo. A cena era hilariante de se ver como as pessoas se escondiam apavoradas da chuva de balas que caiam sobre elas. Esse é o mote é o que move hoje a Nação.

Isso também já era esperado porque não há um primata armado no Brasil, há milhares deles nas mesmas situações. Riem da desgraça dos que caem na boca do povo, declarados como corruptos ou corruptores. Por que estes são bons? Absolutamente, não! Os autores dos crispados dedos nos gatilhos o fazem como autodefesa, como maneira de se defenderem de um possível e inevitável tiro que venha o atingir. O velho ditado “mato antes que eu morra”, aqui tem muito maior representatividade.

E o povo? Pois é, o povo e sua característica e simplista raciocínio, também já canta há muito tempo a solução, “passa-se uma borracha em tudo e começa do zero!”. E não é que novamente eles têm razão?
Dever-se-ia juntar um grupo heterogêneo de homens cultos, experientes e que consigam comprovar sua idoneidade e que se dispusesse coloca-la à prova, para formar um grupo regente, como já foi feito com o Brasil na época da menoridade de Dom Pedro II.

As razões e o regime eram outros, porém poderíamos nos declarar incompetentes tecnicamente e inidôneos para gerir o Brasil. A partir daí esse grupo de notáveis administrariam o que sobrou desta terra, administrariam esse povo sofrido, traído e trabalhador. Substituiriam todos, incondicionalmente todos os eleitos até então, dando lugar a novas oportunidades políticas para o Brasil, sem qualquer vínculo com a estrutura atualmente existente. Utopia? Não, é possível sim fazer algo assim.

Poderiam dizer que estaríamos destruindo a democracia que conseguimos com muitas luta. Não acho isso não, estaríamos sim simplesmente separando o joio do trigo. Estaríamos definindo um hiato, uma pausa para que pudéssemos repensar nossos erros.

#Disse
Carlos Leonardo ˄˅

 

Vamos comentar isso?

%d blogueiros gostam disto: